sábado, 12 de agosto de 2017

crônica da semana - 22 anos

22 anos e lá vai poeira
Na terça-feira próxima passada, inteirei 22 anos trabalhando na mesma empresa. Para mim, um fato extraordinário. Mas antes de ter este aspecto portentoso, na minha carreira de operário, cria um caráter subversivo na minha trajetória de cronista. Nunca na história desta coluna, falei deste trabalho do qual vivo os últimos 22 anos. Hoje vou falar.
E como sou um narrador dos pretéritos nem tão perfeitos, começo com o primeiro de agosto de 1995.
Foi um choque. Uma atividade completamente diferente daquela que eu desenvolvia até então. A mim me destroncou totalmente, o momento em que recebi uma pá, como instrumento de trabalho. Eu tinha mais de dez anos de formado como Técnico em Mineração e, até ali, a única ferramenta que conhecia era a lapiseira. Éraste, sofri que só com aquele choque de realidade. Chorava pelos cantos, meu corpo reagia mal àquela lida, àquele regime bruto que me fazia duvidar da mais remota possibilidade de vingar naquele serviço, um mês ao menos (que dirá, 22 anos). A barra pesou pacas pro meu lado.
Não desisti. Encarei a parada. Dei o valor exato àquele trabalho. Achei argumentos para torná-lo digno e importante para o processo em que eu militava e, ora, ora, para a minha sobrevivência.
A terça-feira próxima passada se deu em branco para muita gente. Não para mim. Volvi aos primeiros dias e catei uma razão para meus momentos de infortúnios. O motivo, talvez, viesse até mesmo daquele processo de formação na Escola Técnica que penso, sem maldade, nos incutiu este temperamento arrogante, ao sair para o mercado de trabalho. Não admitindo reveses. Na Escola a doutrina pregava a liderança, a chefia de grandes hordas de peões indisciplinados. O salário ali em cima, o status de ser um capataz melhorado, a soberba dos iludidos. A cartilha em que rezávamos não vislumbrava em momento algum, um cenário em que nós seríamos os peões. Daí o sacolejo que me tirou de órbita.
Mas não me arrependo, ao olhar para trás. A vida de operário me apresentou outros desafios rigorosíssimos (daqueles que deixavam o ato de empunhar uma pá, lá atrás em termos de tensão e inquietação). Aprendi o sentido de coletividade quando me envolvi no movimento sindical (ainda hoje, apesar da alteração na diastólica, não sei pensar só no meu umbigo. Tudo que diz respeito ao ambiente de trabalho, mesmo que me seja alheio, dou pitaco, faço zangas, contesto, apoio).
Meio sem jeito, um tanto bambo, com uma vergoinha besta, rogo o perdão dos meus leitores por desvelar essa passagem recôndita, escondidinha da minha vida profissional ativa. Não poderia deixar passar em branco esta data. E nem admitiria um silêncio sobre a minha alegria em ter conquistado 22 anos como operário. Sim, sou feliz por isso. A família, meus livros editados, alguns prazeres a que me dou o direito, uma ou outra ajuda a quem precisa, a minha cervejinha. Parte do que sou, os amigos que conquistei são produto daquele dia primeiro de agosto de 95, em que tomei como instrumento de trabalho uma pá e a transformei na mais lustrada, refinada e precisa lapiseira que arrisquei empunhar.


domingo, 6 de agosto de 2017

fotopintura


Baía de Guanabara em Paquetá - Natureza morta - Julho 2017

sábado, 5 de agosto de 2017

crônica da semana- sou dos becos

Sou dos becos, sou das bocas
Foi um tempo bom que não volta mais. Essa coisa de pobre andar pra cima e pra baixo de avião já que acaba. E nem é pelo preço das passagens. A baixa participação do nosso povo vai ser por causa do preço das bagagens. Agora, se a gente não cuidar, corre o risco de, só para despachar as tralhas, pagar quase o triplo do valor das passagens compradas naquela promoção pai d’égua.
É, vai pesar mesmo no orçamento... Como tínhamos uma promoção boa que nos franqueava a bagagem e nos levava por um preço bem em conta, escolhemos novamente o Rio de Janeiro como destino de férias. A paisagem, o traçado geomorfológico do Rio, é encanto comum. Todo mundo que visita a cidade, espera conhecer suas belezas naturais. Da minha parte, tinha uma motivação especial. Fui atrás dos becos, das bocas. E achei.
O que chamo de becos, ou bocas, porém, vai além das vielas perdidas e escuras. São as referências marginais, são formatos subversivos de arte, são resistências culturais. Algo diferente de ‘um cantinho, um violão’. Embora aprecie a dupla, estava mais para “barracão de zinco”, mais para “lata d’água na cabeça”. O meu norte era o samba, mas seguindo o som dos becos, apaniguei  a balada singela e até o Jazz.
O começo de tudo foi na Pedra do Sal. Um lugar de manutenção e realização da cultura afro-brasileira. Um espaço que agregou e congregou a religiosidade e a arte dos negros. Era o que eu estava procurando. De repente, estava pisando no mesmo chão que pisaram símbolos da nossa história como Pixinguinha, Donga, Heitor dos Prazeres. Um ambiente que reunia o negro vindo da ‘Costa’. E que, hoje, reflete a trajetória do samba sob as bênçãos de Tia Ciata.
Atualmente, há um esforço muito grande para sustentar aquele lugar como um local de culto à memória. A roda de samba que acontece ali, além de pôr a turma para cantar e dançar, além de reunir pensamentos comuns, também é um nicho de conscientização. E por isso sofre, como sofrem por este Brasil afora as manifestações populares, quaisquer que sejam, de rua. Uma semana antes da minha visita, a roda de samba não se realizou por causa da ameaça de ser empastelada pela Guarda Municipal.
O vento frio, o ar seco, cortante me levou a lugares aquecidos. Uma ponta prateada de lua me indicou o caminho e fui dar em uma reunião embebida pelos mais concentrados fluidos de liberdade. Uma rua, até um dia desses, abandonada, ao largo da praça Tiradentes e que hoje se move excitada respondendo aos estímulos vigorosos do Jazz.
Mais uma voltinha no vento, e o encontro com a palavra de esquina, plena,vulcânica. A Lapa, na praça Luana Muniz, se iguala em opulência à mais extraordinária feição geomorfológica da cidade. O Sarau do Escritório é uma grande planície florada, com campos densos, e aqui, ali, escaninhos reluzentes, misteriosos, donde surge um Chacal a uivar versos livres.
Nas ruas do Rio de janeiro, encontrei a música (algo diferente do cantinho e do violão), a poesia, o traço, a cor, a história, a memória, corações e afetos, valores e conteúdos que me ratificaram como sendo dos becos. E das bocas.